segunda-feira, 23 de junho de 2014

Estava zapeando pelo meu blog e vendo o tanto que vivi...
Tão saudável anotar tudo o que se vive, quando nada pra recordar os momentos.
Quero muito voltar a fazê-lo.

Minha vida tem estado tão nos rumos ultimamente que nem tenho ânimo pra ficar relatando, mas vamos lá:
No trabalho está tudo como dantes. A mudança maior está na direção. Pelo menos eu estava achando uma mudança e tanto. Mas com o passar dos dias, vc percebe que não é tanta assim... Mudou a juíza, mudaram os propósitos do setor, paramos de trabalhar pra torcida e enfim estamos trabalhando em prol do jurisdicionado. Mas apesar dessa mudança de perspectiva, fica sempre uma ponta de decepção, pois vc faz e não há feedback da direção, vc tem que ficar literalmente correndo atrás da juíza pra mostrar, solicitar o que fazer, dizer que está no caminho certo... Muito desgastante estar mostrando serviço, mesmo quando ele aparece e fica escancarado que está dando certo...
No consultório está uma paradeira só. Meus pacientes evadiram (quase) todos. Meus ares mudaram bastante em relação à psicanálise. Estou atendendo no consultório de minha professora querida. Ela tem sido uma verdadeira mãe pra mim, pois o valor que pago é tão irrisório que nem sinto. É certo que a sala está precisando de umas reformas, mas nós duas estamos cuidando disso. Estou estudando mais, desisti dos convênios (após gastar tempo, energia e dinheiro tentando, dando o meu melhor pra conseguir fazer acontecer). Foram muitas conversas, sessões de análise e reflexão pra perceber que não queria. Apesar de que ainda não sei como conseguir pacientes. Minha analista diz que eu preciso ter o desejo de ser analista, estudar muito e deixar meu espaço no consultório disponível que eles vão aparecer. Eu estou fazendo minha parte. Contigência ou não, isso vai acontecer. [me dei um prazo pra me dedicar a esta causa: até minha aposentadoria, se eu não tiver ainda vingado na psicanálise, vou desistir e ponto]. Marquei com uma colega pra implantar uns projetos. Vamos ver.
Em casa, as coisas estão bem: Sônia vai quatro dias na semana, organiza tudo, Gui colabora, os cachorros sujam (agora tenho dois: Dudu e Bi), mas vou limpando, Raíssa enche o sofá de pêlo (preciso comprar um aspirador de pó) ... Estou muito mais tranquila com a minhas coisas de casa e tenho conseguido conviver bem com meus vizinhos (apesar dos transtornos de adaptação de Bi a minha realidade). Estou lavando os pratos quase toda noite, arrumando o que desarrumo e lidando bem com o que não consigo dar conta.
Em relação ao meu corpo, estou muito satisfeita: mais magra, mais bonita, mais tranquila, atraindo os homens de uma maneira que eu não sabia ser possível, descobrindo minha sexualidade e pequenos prazeres que o cotidiano me proporciona, saindo muito e deixando as coisas acontecerem de uma maneira mais natural e espontânea. Estou irradiando sensualidade, bem estar, paz e conhecendo mil pessoas e mil maneiras de (vi)ver o mundo. Enfim, estou me proporcionando aprendizados. Estou começando a correr (comecei dentro de casa, evoluí pra esteira e estou ponderando passar pra rua), fazendo uma dieta voltada pra minhas necessidades (sem glúten e sem muitos frufrus), estou me sentindo outra: sem gases, sem passar mal, sem cansaço demasiado e sem o mal estar diário.
Em relação aos homens, conheci alguns, me apaixonei platonicamente por um que não valia a pena, fiquei com outro, mas me envolvi muito com um terceiro. Este sim se apaixonou por mim, vivemos uma relacionamento bastante intenso, mas rápido e eu estou em negociação com ele pra um lance mais sério (mas ele está pensando em voltar pra ex). Quanto ao meu ex? Este (enfim) virou passado. Não sem sofrimento, pois ele teve uma filha com uma outra mulher e sofro muito ao vê-lo dando atenção à filha e meu fico completamente sem lugar na vida dele... Fico me perguntando porque o MEU filho não é digno da atenção dele.
Em relação ao dinheiro, vou completar 1 ano sem compras em setembro. Não há palavras pra descrever tamanho envolvimento neste projeto. Identificação total. Não tenho comprado, exceto sapatos (uns sete) e nesta semana que vem, vou comprar 4 vestidos em um bazar. Minhas contas ainda estão desordenadas, pois eram muitassss. Muitas mesmo. Mas eu já tive progressos: o cartão está começando a vim menos de R$2000 mil. Gasolina e gastos extras eu tenho feito à vista. Caminhando pra fazer supermercado à vista.
Cortei muitos excessos e estou estudando novos cortes. Paguei meu empréstimo consignado quase todo, falto cinco parcelas que termino agora em setembro. Falta outro empréstimo e a casa. Pretendo quitar ambos até dezembro/2016. E vou conseguir. Não fiz minha reforma ainda, por mil motivos: falta de grana real, muita coisa pra mexer e o mais importante: bolo e mais bolo dos pedreiros que eu ia encontrando.
Em relação à Gui, affffff. Um post só pra isso depois.
Quanto aos meus estudos, uma novela de amor e ódio: começo, engato, desanimo, vou parando e recomeçando. Quero estudar com afinco, com responsabilidade, mas não sei onde eu me perdi. Antes eram os filmes, as séries, a net, o cansaço, mas agora não é mais isso. Não tenho vontade. Não sei explicar. Fiz um plano de estudo que ficou no vazio. Não estou estudando inglês. Isso é o que mais me mata, porque realmente gosto, tenho vontade, mas não priorizo. O bom de tudo isso é que retomei as minhas leituras noturnas. Leituras que me rendem muito prazer. Estou fazendo pós em Teoria da Clínica de Orientação Lacaniana e tem sido muito bom. Estou gostando de tudo, mas estudo muito a la caralha, quando quero e entendo. Já escolhi o tema de minha monografia: o amor. Muito pano pra manga e muitos posts (espero).
Quanto à minha saúde, descobri um nódulo na tireóide e vou ter que retirar pra avaliar se é maligno ou benigno. Estava pisca antes de ir ao cirurgião, mas agora estou bastante tranquila. Estou fazendo os exames pré-cirúrgicos pra agendar a cirurgia. Ahhh! E decidi colocar o DIU novamente. Estou novamente com vida sexual ativa e não quero ficar dependendo apenas de camisinha.

Um postão. Como eu sei que só eu leio, fico bem tranquila.