sexta-feira, 29 de abril de 2011

G. K. Chesterton escreveu: “Contos de fadas não dizem às crianças que dragões existem. As crianças já sabem que dragões existem. Contos de fadas dizem às crianças que dragões podem ser mortos.”

Hoje eu vi mais um capítulo de Criminal Minds e vou dizer uma coisa inconfessável: analistas de comportamento humano são bons, viu. Mesmo amando essa série eu fico pensando em como tudo o que eu vejo vai de encontro à minha prática que é a clínica do um a um, do singular, do caso a caso. Mas é surpreendente como os sinais estão postos, estão lá pra serem lidos.
Uma coisa me apazigua, mesmo os comportamentos sendo lido de uma maneira percentual, como mostra a série e como são traçados os perfis: a incidência dos danos são particulares e vai marcar cada um de uma maneira única. E pra isso existem os psicanalistas, para ouvir cada uma das histórias que são trazidas pelos nossos pacientes.
Ai, ai, eu me julgando uma psicanalista... Enfim, não serei profiler por uma série de razões: moro no Brasil, teria que fazer concurso pra Polícia Federal e ser perita, teria que morar em uma fronteira por uns três anos, mas a maior de todas é que tenho um olhar bem particular sobre os dramas da humanidade. O que não me tira a surpresa de me deparar com leituras de comportamento humano tão perfeitas.
Amo vcs, meus profilers do coração!!! Firme e forte na série e na esteira: episódio 6 da 3ª temporada que me aguarde!

Nenhum comentário: