segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Semaninha difícil a passada. Quase não dormi, quase não estudei, quase não fiz nada, além de trabalhar e tentar dormir. Estou em uma luta com Gui pra ele voltar a dormir na cama dele, mas ele acorda e vai pra minha cama umas três vezes na noite e meu sono está todo entrecortado. Essa noite eu deixei ele terminar de dormir comigo, pois não tava conseguindo mais nem pensar. A sensação que eu tenho é que a cada dia eu vou perdendo a mão um pouquinho. E isso é cíclico.
Ele está nervoso novamente, jogando as coisas, me xingando, querendo me bater, me dando ordens, querendo falar mais alto que eu. Imagino que é por eu estar aérea, não estar inteira com ele quando eu estou com ele. Essa semana eu estou experimentando um sentimento que até então era bem novo pra mim, eu estou com sangue nos olhos pelo pai dele. Garrei ódio pelo pai dele e não me pergunte porquê. Não sei o exato motivo, mas precisa? Fico com ódio de mim por ter me permitido me relacionar com uma pessoa tão imatura, tão despreparada pra vida.
Por que, meu Deus, eu me apaixomei e dei os melhores anos de minha vida num relacionamento fadado a dar errado? Por que após tantos anos eu ainda sofro tanto com isso? Por que eu não me perdôo? Por que eu fico remoendo tudo, tudo, os milímetros das coisas? Por que eu simplesmente não apago? Parece que a minha ficha das coisas só cai quando não tem a menor graça.
Eu ficava muito me apegando que ele quis ter filho comigo, quis ter uma família e homem nenhum quer, mas a que preço? Será que eu não sou merecedora de um cara legal e preciso ser grata a vida eternamente por ter tido a oportunidade de ter meu(s) filho(s) e ter tido a (infeliz) experiência da vida a dois? Lila, essa crise já nem tem mais graça... cadê a pá de cal pra eu encerrar essa história?
Sabe quando vc não aguenta nem mais ouvir a voz? Ver a cara?
Acho que Gui tá sentindo tudo isso e está sofrendo muito, pois ele tá bem marretinho e chatinho. Eu tô um poço de chatice e ele tá se refletindo em meu espelho. Eu até dei umas surrinhas nele etô péssima com isso.
Eu fico pensando "que posts chatos e enormes, quem vai querer ler?", mas sabe de uma? Isso aqui é meu descarrego, eu às vezes entro e fico pensando em postar, mas eu tô tão sem coragem que me falta até garra de escrever o que está me fazendo viva.
Um preciso aprender a me perdoar das coisas, pois eu sou humana e tenho direito de cometer minhas falhas e meter meus pés pelas mãos, mas por que eu me culpo tanto por não ser perfeitinha? Quem vai conseguir ler tanta coisa? Estudar tanto texto pra ter direito a uma saída? Por que eu simplesmete não posso me dar ao luxo de ficar um domingo de prega, de ressaca sem ter que ler nada ou ter que fazer coisa que preste? Tô me cansando de tantas imposições que eu me faço.
Tô com me cobrando demais, até meus novos colegas de trabalho já perceberam isso.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Meus finais de semana têm sido dedicado a Gui. Durante muito tempo eu ficava de mimimi dizendo que o pai não pegava, não dava atenção e ora eu ligava pra ele pegar o filho, etc ora eu não ligava, mas ficava na maior marra quando ele não pegava. Não sei o que mudou, mas tem um tempo que não sei precisar que tudo mudou. Eu decidi dedicar meu tempo livre pra o meu filho e de coração, sem me cobrar por não fazer esteira, estudar, assitir TV, ficar na net, dormir, cair na farra. Aceitei que o meu filho é responsabilidade minha e apenas cabe a mim  fazer da infância dele um momento pra ele (e eu) recordar (mos). E tem sido assim.
Sábado pela manhã geralmente tenho reunião de um grupo de estudo sobre autismo ou grupo de mães (dos autistas), mas quando não tem, é praia. A tardinha, é McDonald ou Game Station ou Playland ou festinha infantil (tô até gostando, pense aí)... Domingo, é parque da cidade, é parque de pituaçu, é praia, é almoço de amigos, mas Gui Gui a tiracolo ... Enfim, aceitei que estudar e fazer o mínimo durante a semana só depois que ele dorme, que os finais de semana são dele e eu me divertindo junto (juro que tô até achando legal ficar de planta, ops, de mãe só olhando ele brincar).
E olhe as vantagens dos útimos dias: ele está enfim dormindo na caminha dele, está indo de tênis pra escola, está dormindo às 21 e acordando às 6h (uffffffffffffa, minha mehor conquista, pois acordar TODOS os dias da minha existência às 4:30h não é fácil).

Moment mastercard do final de semana: entrei em uma bermuda que já fazia muito tempo que não cabia em mim (oi?)

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Que maldade. Daqui.

sábado, 12 de fevereiro de 2011


Zapeando por aí... é a mais pura verdade.
Daqui

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Confessionário
- Comprei uma máscara para cílios da maybelline, mas ainda não abri, pois não estou merecendo. EStou com 60,90Kg (-1,8 Kg).
- Comecei minha "dieta rumo aos 54 Kg" há 9 dias e já deslizei duas vezes: domingo fui a um aniversário em uma pizzaria e óbvio que eu não fiquei em uma fatia, mas também não enfiei o pé na jaca. Foi normal, mas comi mais de uma porção de carboidrato no dia e ainda dividi uma coca (arg!!) com uma amiga.
- Outro: comi uma fatia milimétrica de torta de chocolate (aniversário de colega de trabalho é uma m*), finíssima e nem acredito que não repeti. Até eum desacreditei.
- Não estou subindo as escadas todos esses dias: subi 3 vezes, mas desci todos (fácil, né? bobinha);
- Estou firme e forte sem comer farinha de trigo, o meu carboidrato é minimamente arroz integral no almoço ou aveia no shake pela manhã).
- Esteira + Criminal Minds? Tô dentríssimo.
- Segunda e ontem não fiz esteira porque minha conexão tá péssima. Já liguei pra GVT, mas já atingiram o limite de ligações em minha região. Até nisso eu dou sorte. É sky (longa história pra boi dormir), GVT ...
- Tô super cansada, pois aqui em Salvador tá fazendo um calor infeliz e já tô naquele esquema maravilhoso: levar Gui + clínica + trabalho + curso + coisas de uma dona de casa + o que ocorrer. Meus dias são uma loucura, pois todos os dias tem um imprevisto pra eu dar conta e eu não tenho espaço nas agendas (uma pra mim, uma pra os pacientes e outra pra o trabalho na repartição, outra novela em minha vida).
É isso.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Desafio "controle de peso" nº 1

- Durante 30 dias:
* Nada de leite e derivados;
* Bebidas possíveis: água, café e suco de laranja;
* Uma única porção de carboidrato por dia.

Valendo!
Antes de morrer, eu quero... conhecer o mundo!
Antes de morrer, eu quero... mergulhar!

Estas são as duas respostas mais comum que eu li em um site bastante interessante que mostra a foto da pessoa em várias cidades dos EUA, da India e de um hospício. Vi váááárias fotos (tempo bebo, só pode) e duas coisas me impactaram: (1) como o americano médio se veste mal e (2) como eles se preocupam com o pagamento do empréstimo para fazer faculdade.

Antes de morrer, eu quero... escrever um livro! E vc?
Daqui.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Que semaninha dificíl, hein? Custou a passar, mas no final deu tudo super certo. Quarta, eu perdi a minha manhã em um tabelionado pra autenticar um documento que incusive não era pra mim (oi?) e pior, não consegui, pois o sistema caiu e eu coloquei a minha RAIVA no saco e fui embora atrasada, com tudo me esperando. Paguei três horas de estacionamento, peguei um engarrafamento daqueles e ainda tive que ficar 40 minutos na entrada da garagem que eu estaciono no trabalho esperando surgir uma vaga. Fiz uma coisa que há muito tempo eu não fazia: chorei de raiva. Literalmente. E estava de rímel. Foi um horror ter que subir com mais raiva ainda, lavar o rosto e questionar a mim mesma "cadê a pessoa amorosa que habita em vc?" " não era vc que iria amar sem olhar a quem?". "E aí? Brochou logo de primeira?", entre outra coisas agradáveis de se pensar. Pra terminar de completar, eu moro no miolo da festa de Iemanjá e peguei 2:30h de engarrafamento pra chegar em casa no final de um dia de m*.
Mas no outro dia resolvi perder esse mesmo tempo com uma revista e fui. Cheguei umas 07:30h e fiquei até 12:50h esperando a minha vez, pacientemente, pois quando vc está no inferno abraça o capeta e pronto. Enfim, é bom vc se testar pra ver até onde vai o seu amor pelo outro, até onde vai o seu amor próprio e até onde vai o amor do outro por vc. Saí de lá achando que acertei na loto e pronto. Feliz da vida por ter dedicado 2 manhãs da minha vida ao outro. Ponto. Assunto encerrado.
Deus se manifesta nas pequenas coisas. Eu já falei aqui que mudei de setor? Pois é, mudei e chegando lá deparei com um computador que tinha sido refugo do Banco do Brasil há 10 anos. Ele leva uns 20 minutos para ligar. Juro. Cheguei (ainda bufando de raiva) e tinha em minha mesa um computador novinho, tela fininha e mil vezes melhor do que eu tinha no meu antigo setor (o melhor do local).
E não terminou aí as minhas bençãos: fui chamada por uma colega de faculdade pra atender em uma clínica que ela já trabalha, consegui marcar um pacote de tratamento que eu comprei no peixe urbano e eu já dava como perdido, consegui terminar as 5 temporadas de Dexter, consegui estudar 4 textos, comi 2 pasteis (foi mal) ... consegui acabar com todos os itens penentes em minha agenda! Isso não é pouca coisa.
Sei lá, precisei chorar de raiva em um dia pra poder ver a beleza das coisas no outro.
Parafraseando Patricia, essa é minha vida, Brasil.