quarta-feira, 2 de junho de 2010

Assim como my sister, eu estou chegando na reta final do meu curso lindo. Ontem eu finalizei um artigo sobre o desemprego e seus reflexos nos sujeitos. Tá ficando com uma cara boa. Pode ser que eu tenha terminhado, vai depender de uma última leitura que farei dos livros "Horror Econômico" e "Adeus ao Trabalho" e ler é comigo mesmo, pois eu entro em um universo paralelo. Essas leituras acadêmicas então, eu amo de paixão (sou louka, I Know).
E vamos que vamos, que eu sou quase psicóloga. Faltam ainda dois artigos e uma prova. Uhhh! Já estou sentindo o gosto de prosseco na boca!
Outras coisas: estou com um celta e, meodeos, como é bom dirigir um celta! Um carro que vc tem prazer em fazer meia embrenhagem nas ladeiras de Salvador, pois ele é muito forte. Estou me sentindo em um ralli, pois meu palio, puf, é muito fraco. Vc pede a Deus pra não ter ninguém na frente quando sobe a ladeira do IBIT, pois se vc puxar o freio de mão, é um abraço. O carro faz vc morrer de vergonha e lembrar do tempo que vc chorava quando pensava em subir uma ladeira dirigindo e dava mil voltas pra não se deparar com uma. Aqui em Salvador, então, é quase um milagre.
Ontem eu comi mais do que o meu normal, mesmo SABENDO que estava sem fome. Eu pensava: "Lila, por que tanta ansiedade? Seu trabalho está quase pronto." Esperava os oito minutos que a pesquisa científica (quáquáquá) disse que era o tempo que a vontade passa, e nada, olhava só pra certificar que já tinha passado e levantava pra comer.
Isso é um diálogo de uma pessoa que quer perder quilos e quilos? E pra arrebatar de vez, não fiz esteira. Estava fazendo há 8 dias seguidos. Tá, vou me perdoar que estou naqueles dias. Desculpa boa pra tudo essa. Eu amo!
É isso.

2 comentários:

Lélia Maria disse...

somos mesmo diferentes nos quesitos prazer em estudar e controle da boca. boa sorte no artigo (que eu tou gostando moooointo), no controle da boca e no retorno para a esteira. e não me venha com desculpas esfarrapadas...

Belos e Malvados disse...

Você é uma criatura de coragem mesmo, viu? Porque enfrentar aquele trãnsito de Salvador, minha nega, não é prá qualquer um não.