quarta-feira, 9 de junho de 2010

Aconteceram algumas coisas dignas de nota estes últimos dias:
- Terminei a minha resenha crítica e hoje foi a aula de autoavaliação. Foi muito bom externar o que me deixou angustiada um semestre inteiro: o desemprego, a morte simbólica do trabalho, a falta de oportunidade de mostrar o que se sabe, a exclusão, a pobreza, entre tantos outros. E claro e sempre: o meu descompasso em relação ao tempo certo pra digerir as coisas;
- Hoje termino um trabalho sobre a linguagem em Freud e em Lacan. É em equipe e uma colega ficou de encaminhar a parte dela. Quáquáquá. Tipo: wikipedia da pior qualidade. Eu não consigo deletar tudo, então estou fazendo uma obra de arte em aproveitar alguma coisa pra não dizer que eu sou sacana (sic). Gostaria de mandar um email assim: "minha filha, vc acha que eu tenho cara de pau de entrgar uma m* dessa pra professora?", mas né, sou diplomatica demais, educada demais, certinha demais, abestalhada demais pra dizer o mínimo. E cá estou eu a refazer a parte dela. Cirurgicamente.
- Hoje teve outra reunião no trabalho para informar que: o horário de trabalho são 7 horas e 20 minutos; não pode ter atraso de 48 horas entre o despacho e o cumprimento; teremos apenas 4 pessoas para cumprir TUDO e apenas 1 vai ter um percentual de salário a maior por isso.
- Justo agora que eu posso (poderia) ser psicóloga e engrossar a minha conta bancária....
- Uma pessoa que eu muito estimo e que eu tive um affair no passado (uma devastação em minha vida) está mudando e pra melhor: de planos, de cidade, de projetos dentro da profissão. Fiquei muito feliz em saber. Como há muito tempo não ficava. Tô torcendo por vc, viu? Nunca terei oportunidade de te dizer pessoalmente, mas sucesso em sua nova (antiga?) vida. Se antes a minha probabilidade de cruzar com ele era próxima de 5%, agora é 0,5%.
- Saí no sábado pra um aniversário de uma amiga que eu amo muito e lá estando me comportei como um lady: se antes eu era uma lady do início do século XX, agora estou para ua do século XVIII, pois nem para os lados eu olho e aprendi a fazer uma cara de paisagem que é uma beleza. Sem falar na onda que eu sei tirar como ninguém. Ocorre que o pai de um coleguinha de Gui estava no mesmo local e me veio me dizer depois que tinha me visto por lá. O cara é muito presença, solteiro, altão, bonitão e eu não vi. Tô realmente me achando, né? Num lugar que não tinha 60 pessoas.... Tô demaissssssssssss.

Nenhum comentário: