terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Incrível como Má tem o dedo podre. Eu e Ieda vivemos dizendo isso a ela. Quer sair e só encontrar gay? Pede a Má pra escolher o roteiro. Meu Deus!!! Toma, Lila! Quem mandou sair em uma segunda-feira , final de semestre, com 8 pacientes, precisando estudar a teoria e os casos clínicos de cada um? Pouco e bom, bem feito!
Meu Deus! Eu fico pensando no que Amaury me falou, é incrível, mas toda vez que eu saio é isso. Amaury e suas teorias machistas.
Tá, já sei que não dá pra se apaixonar noitada adentro (mesmo que o fofíssimo do Jorge Washington esteja em todas), mas quando nada se interessar pra ver se surgem outras possibilidades de olhares. Que nada! Ir ao Porto da Barra às 6 da manhã com Gui e minha ex sogra traz mais proveito que essas minhas saídas. Quando nada tem uns mergulhadores gatinhos que vc fica se perguntando como seria sem aquela parafernália toda e por onde andará quando não estão cumprindo o seu papel de sereio.
Eu hein! Dá uma vontade de largar tudo, de desistir e ficar em casa estudando e vendo filmes e seriados e meus livros e minhas revistas e meus blogs e meus pensamentos... É, realmente ficar "emimesmada" é mais proveitoso. Tenho dito.
Má ontem me perguntou se eu nunca tenho vontade de ficar em casa. Até parece que eu só ando na rua. Que representação as pessoas têm de mim. Será que tenho realmente essa cara de arroz de festa?
Ontem fomos ao Samba da Igreja, lá na Barroquinha, ao lado do Espaço Unibanco. Muito legal o espaço, cerveja gelada e barata, galera gente como a gente, mas só gay e homens acompanhados. Me senti Briget Jones. Aliás, eu sempre me sinto Briget Jones. Eu só queria saber cadêo meu Darcy com suas costeletas enormes...
Cheguei em casa tão down que bati um pratão de macarrão (meu almoço de hoje) e pra rebater comi um brigadeirão de OL que está na geladeira há zilhões de anos. Parecia uma pedra pré-histórica.
Pra variar, dormi no sofá vendo um filme que não sei o nome.
Hoje, a palhaçada estava armada em S. Lázaro, pois palhacinho resolveu me "mostrar" que está se botando pra outra. Um acting out completo. Vi e caí fora, espero que ele tenha percebido que eu não tô nem aê pra ele, ela e todo o mais. Quem dera fosse tão aritmético assim, né?
Pois apesar de saber conscientemente que a coisa já era a um tempão, que eu não tô interessada nele, mas fico me perguntando porque ele me fisgou tanto e onde foi, além do olhar que já não é mais pra mim, já está triangular.
E percebi também que eu consegui, mesmo sem querer, sem saber, sair da posição de objeto do gozo escópico que ele me colocava. Não me pergunte como, pois eu não sei. Só me dei conta depois que ele veio conversar comigo e me disse com todas as letras que andava ouvindo minhas conversas. Pois é, análise fazeno seu efeito.
Depois daquele sonho da bolsa, parece que meu desejo deu uma deslizada mesmo, pois até estou "conseguindo" me interessar, me ver desejando outros homens. É f* a minha maneira de estar no mundo. É f* fazer análise. É f* não ser uma p* e sair dando pra todo mundo. Eu queria ser uma mulher daquelas que fazem e acontecem sem se arrepender depois. Mesmo.

Um comentário:

Nite disse...

quiiiiiiii.... tu n combina c o perfil de "nova"