domingo, 8 de novembro de 2009

Hoje foi a prova do ENADE que avalia a qualidade dos cursos superiores no país. Uma galera da UFBA do curso de Psicologia resolveu boicotar a prova. Decididamente, eu deveria ter nascido em outra época ou em outro país, pois determinados comportamentos eu não consigo tolerar.
Tá certo que em toda faculdade tem sempre aquele aluno que está sempre questionando a infraestrutura, o nível dos professores, o conetúdo programático de seu curso. Entendo e acho louvável. O que eu não consigo atingir é que essa mesma galera que critica o que a UFBA pode ou não nos oferecer em termos de estágio, pesquisa e extensão, na hora de avaliar seu curso dá um tiro no próprio pé. Todos sabemos que quanto maior a nota do curso, mais verbas ele vai receber do governo federal. Pra mim é matemático, claro e simples.
Tem uma pessoa que gosto muito que eu não entendo mesmo. É muito inteligente, com um DNA blindado de pessoas importantes, inclusive na história da psicologia baiana, mas que não foi uma ou duas vezes que chegou pra quem quisesse ouvir que não gostava do curso e não estudava p.n., pois não queria e ponto. Digo isso, pois acompanho de perto a graduação desta pessoa e é isso aí: não estuda, mas quando quer estudar, aí sim, dá show. Até aí tudo bem, pois cada qual faz de sua vida o que quer e passarinho que come pedra, sabe o c* que tem. A vida dessa pessoa está pronta, mais ainda que a minha, pois tenho que carregar muito processo ainda nos 17 anos que me falta para aposentar.
O que eu decididamente não entendo e me dá vontade de gritar, esbravejar é quando essa pessoa vem a mim e diz que fez uma péssima graduação, pois a UFBA não proporcionou uma boa formação, nem uma boa informação. E chega na prova de hoje e diz que nem leu, marcou as questões por marcar, pois tava com preguiça de pensar. Tá. Depois, vem dizer que não boicotou a prova, pois o governo federal blablabla. Não boicotou? Como assim, cara pálida? Vai te f*, porra!
A mesma UFBA me proporcionou uma vastidão de informação e uma formação muito boa. Não vou dizer que sairei da faculdade tendo régua e compasso na minha profissão, pois isso é uma ilusão em qualquer área, mas ao menos sei onde buscar os conhecimentos que me faltam.
É nessas horas que eu me arrependo amargamente de ter voltado a estudar com tanta gente com idade mental de 15 anos se achando a última coca cola gelada do deserto. Ah, que saudade dos meus amigos engenheiros que se matavam de estudar, ralavam nos estágios e sabiam que o futuro seria duvidoso e incerto, mas iriam conseguir quando nada estudar muito pra se sobressair no que se achassem bons o suficiente.
E eu com crise de formatura ... ai, ai. Tô até mais segura, pois repito o que disse a essa pessoa com a mesma convicção de uma ex-engenheira: sempre haverá lugar pra os que estudam.

Nenhum comentário: