quinta-feira, 24 de setembro de 2009

"... você vai descobrir que não é a primeira pessoa a ficar confusa e assustada, e até enojada, pelo comportamento humano. Você não está de maneira nenhuma sozinho nesse terreno, e se sentirá estimulado e entusiasmado quando souber disso."J.D. Salinger


"O apanhador no campo de centeio" foi um marco em minha juventude e, por ser um clássico, irá capturar vários jovens pelo mundo afora, porém nunca fui tocada por esse livro, apesar de já ter lido três vezes em momentos diferentes de minha existência. Minha irmã Lé ama e não cessa de falar, citar, fazer testemunho das suas benesses. Mas, é preciso dar a César o que é dele.
Tem dias que só um clássico consegue expressar, colocar em palavras nosso sentimento e escancarar pra o mundo afora. Salinger tem esse poder. Eu acho que nunca havia sido identificada pelas dores de ser jovem num mundo tão egocêntrico, pois eu quando jovem não tive crises existenciais e não me sentia fora, diferente, desencantada.
Como citei no post anterior, a vida sempre cobra a conta dos excessos, e eu acrescento que ela cobra a conta das faltas também, pois se não me sentia deslocada e destoada antes, agora é como me sinto. Tenho acordado com o enjôo na garganta, querendo vomitar o que está travado em minha goela e eu não tenho conseguido deglutir, quanto mais engolir.
É nessas horas que eu retomo o que ficou reservado em algum lugar de minha alma (meu inconsciente???) e quem chega sem fazer barulho é Salinger me lembrando da conta, de uma frase de Lacan que tem ressoado em meus ouvidos: "agiste segundo seu desejo? pagarás; agiste contra seu desejo? pagarás em dobro". Por enquanto, estou só pagando, mas será que em uma época de tanta revolução, não estarei eu vivendo contra o meu desejo?

Um comentário:

Lélia Maria disse...

o bacana de holden é que o exemplo dele se aplica em qualquer fase da vida, pq sempre vamos ter novas fases e elas vão mostrar que tudo traz dor e delícia. esta frase que tu usou é perfeita para mostrar isso. não é um livro sobre um menino voltado para o próprio umbigo. é um livro que serve de espelho. se vc está alheio, leia o apanhador, vc volta pra a realidade bonitinho. beijos